O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 23 de Janeiro de 2010

«O maior erro na vida é o de ter sempre medo de errar».

Assim escreveu (pertinente e magnificamente) Elbert Hubbard.

publicado por Theosfera às 18:51

«Para evitar qualquer crítica, não diga nada, não faça nada e não seja nada».

Assim escreveu (judiciosa e magnificamente) Elbert Hubbard.

publicado por Theosfera às 18:48

«O professor é aquele que faz duas ideias crescerem onde antes só crescia uma».

Assim escreveu (notável e magnificamente) Elbert Hubbard.

publicado por Theosfera às 18:44

Há quem defenda que devemos calar as dores, afogar os males, ignorar as mágoas e silenciar as injustiças. Confesso que eu mesmo já cheguei a pensar assim.

 

Admiro quem, por estoicismo ou por ascese, é capaz de guardar tudo (incluindo as piores afrontas) no seu íntimo.

 

Não haverá uma regra universal, mas, se absolutizássemos este princípio, nenhuma doença seria curada e nenhum mal seria combatido.

 

Por outro lado, se Ellie Wisel pensasse deste modo, ter-nos-ia privado de obras como Noite, Dia, Amanhecer ou O esquecido, autênticas denúncias da chacina perpretada por Hitler.

 

Se Miep Gies, que acaba de falecer, também pensasse assim, não nos teria legado o extraordinário diário de Anne Frank, outro repositório vivo da tragédia nazi.

 

Aliás, se os primeiros cristãos também enveredassem por este caminho, não nos teriam deixado as actas dos mártires.

 

E, à cabeça de tudo, temos os Evangelhos, que não escondem os horrores por que passou o Filho de Deus.

 

Por muito nobre que seja, o silêncio, por vezes, é aliado da injustiça. E à colação acaba por vir sempre o alerta de Shibi Ebadin: «Se não podeis vencer uma injustiça, pelo menos contai-a a todos».

 

Não caiamos nunca no oitavo pecado mortal, aquele que, porventura, mais nos tenta hoje em dia: o pecado da indiferença.

publicado por Theosfera às 15:53

«É preciso fazer todo o mal de uma só vez a fim de que paraça menos amargo, e o bem pouco a pouco a fim de que seja mais bem saboreado».

Ãssim escreveu (cínica e magnificamente) Nicolau Maquiavel.

publicado por Theosfera às 15:45

Era suposto que as escutas que envolvem um processo estivessem protegidas pelo segredo.

 

Alguém se lembrou,entretanto, de colocar um vídeo no youtube com as conversas entre Pinto da Costa e outras personalidades. Isto é inacreditável.

 

Parece que, só nas primeiras 48 horas, teve uma audiência de 350 mil.

 

Eu sei que é difícil resistir à curiosidade. Mas que interesse tem ouvir coisas que certamente não serão as mais edificantes?

 

Confesso que tudo isto me entedia e entristece. Para quê perder tempo com estas coisas?

publicado por Theosfera às 15:39

Há nuvens por debaixo do sol?

 

Olha que há sol por cima das nuvens!

publicado por Theosfera às 11:58

«Morrer é não ser visto».

Assim poetou (sagaz e magnificamente) Fernando Pessoa.

publicado por Theosfera às 11:56

S. João Esmoler (a razão deste epíteto será fácil de descortinar) nasceu em Chipre, foi funcionário do imperador, enviuvou e veio a ser patriarca de Alexandria por volta de 610.

 

Espantou toda a gente com uma pergunta que fez à chegada: «Quantos são aqui os meus senhores?»

 

Como ninguém percebeu o alcance, ele descodificou: «Quero saber quantos pobres temos. Eles são os meus senhores, pois representam na terra Nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Mt 25, 34-46). Dependerá deles que eu venha a entrar no Seu reino».

 

Fizeram o apuramento. Havia 7500 pobres, que ficaram a receber, todos os dias, uma boa esmola.

 

É claro que as críticas não demoraram. Que havia alguns que não eram pobres, antes mandriões. Réplica do bispo: «Se não fôsseis não curiosos, não o saberíeis. Curai-vos da vossa intriga e curiosidade e deixai-me em paz. Prefiro ser enganado dez vezes a violar, uma vez que seja, a lei do amor».

 

Diz a história que o cofre nunca se esvaziou. A quem lhe agradecia ele respondia: «Agradece-me só quando eu derramar o meu sangue por ti; até lá, agradeçamos, os dois juntos, a Nosso Senhor Jesus Cristo».

 

Ninguém tinha coragem de lhe negar nada. Só que alguns costumavam sair, furtivamente, da igreja antes do fim da Santa Missa. Sucede que o bispo saía também e, de báculo na mão, juntava-se a eles cá fora e intimava-os: «Meus filhos, um pastor deve estar com o seu rebanho; por isso, venho ter convosco. Mas não posso ficar aqui e não me posso cortar em dois; que iria ser das minhas ovelhas que estão lá dentro?»

 

Desde então, toda a gente esperava pelo fim da Santa Missa para sair.

 

Que nobre exemplo de pastor, de pai. Muito mais tarde, também Bossuet repetia: «Nossos senhores, os pobres».

 

O pobre é sempre uma surpreendente aparição de Deus.

publicado por Theosfera às 11:41

 

«Educar é introduzir na realidade total».
Assim escreveu Jungmann e assim recorda Luigi Giussani num livro cuja versão portuguesa tem como título Educar é um risco.
Mas como introduzir na realidade se se renuncia, cada vez mais, a uma hipótese explicativa dessa mesma realidade? Se o apelo à tradição é cada vez mais esbatido?
E como introduzir na realidade total se a fragmentação é a linha dominante dos programas e dos conteúdos sem haver, muitas vezes, um fio condutor entre eles?
A importância da unidade no projecto educativo ressalta como fundamental, determinante, decisiva.
A escola padece, hoje em dia, com focos de heterogeneidade e contrariedade. Isto cria nos estudantes uma atmosfera de cepticismo e desmotivação muito perigosa.«As pessoas lamentam-se, com frequência, que os jovens não constroem: mas o que construir e sobre que base?»
Vamos assumir: estamos a falhar (todos!) na educação.
Vamos decidir: urge apostar num novo rumo para a educação.
Vamos deixar de ter medo de falar dos valores, de marcar um rumo, de propor normas éticas.
Vamos deixar de ter medo de educar os sentimentos.
Vamos deixar de ter medo de corrigir, de chamar a atenção.
publicado por Theosfera às 06:20

Faz hoje, 23 de Janeiro, cinco anos que faleceu Mons. Ilídio Fernandes, um homem bom e um homem de bem. Muito ele fez por Lamego e por toda esta zona. Tanto ajudou as pessoas. Não o esqueçamos jamais!

publicado por Theosfera às 06:18

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro