O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 01 de Dezembro de 2009

 

1. Quando falamos da Igreja, imediatamente pensamos em bispos e em padres. Concentramo-nos, deste modo, em apenas 0,1% da sua totalidade, deixando de lado os restantes 99,9%.
 
Quando um órgão de comunicação social quer saber a posição da Igreja, pensa logo num padre ou num bispo sem cuidar de saber se há um fiel leigo mais abalizado sobre esse assunto.
 
Há mais de quarenta anos, o Concílio Vaticano II recordou-nos que as questões relativas ao mundo dizem respeito sobretudo aos irmãos leigos.
 
Também disse que os pastores devem «estar dispostos a ouvir os leigos, tendo fraternalmente em conta os seus desejos».
 
No entanto, continuamos a subalternizar o seu lugar e a subestimar a sua intervenção. Até parece que só contamos com a sua generosidade, com os seus donativos…
 
Há não muito tempo, alguém me fazia sentir a sua alegria por determinada organização estar «nas mãos da Igreja». Motivo? Estava um padre à frente dela.
 
Eu respondia que a presença da Igreja em tal organização estava assegurada pelos cristãos que nela se encontravam. Mas não consegui convencer o meu interlocutor.
 
Este arquétipo ainda está bastante difundido. Importa, pois, relembrar que é pelo Baptismo (e não pelo sacramento da Ordem) que nos tornamos cristãos.
 
Os padres e os bispos não esgotam a Igreja. Constituem, sim, um prestimoso serviço na Igreja. Por isso chamam-se ministros, isto é, servos.
 
 
2. Na Igreja, não pode haver a lógica dos agentes e dos destinatários da missão. Os padres e os bispos seriam os agentes e os irmãos leigos constituiriam os destinatários.
 
Esta percepção está implícita, por exemplo, na relação que se mantém com a Eucaristia.
 
Ainda se ouve dizer, com frequência, que se assiste à Missa. Ora, à Missa não se assiste. Na Missa participa-se. Aqui, o verbo a conjugar não há-de ser o verbo assistir. Tem de ser sempre o verbo participar.
 
Seguindo o pensamento de S. Paulo, que compara a Igreja a um corpo (cf. 1Cor 12), não pode haver cristãos de primeira e cristãos de segunda.
 
Todos têm um lugar importante na Igreja. De resto, a importância de um lugar na Igreja não se afere pelo poder. Pela simples e elementar razão de que, na Igreja, não há relações de poder. Pelo menos, não devia haver. Na Igreja, há serviço.
 
Daí que o Papa, enquanto primeiro servidor, se apresente como servo dos servos de Deus!
 
Aliás, é curioso notar como a Igreja chegou a ter um Papa que tinha sido escravo. Trata-se de S. Calisto, que foi eleito no ano 217. Ou seja, a Igreja escolheu alguém que estava habituado não a mandar, mas a servir!
 
 
3. Não é o povo que existe para os padres e para os bispos. São os padres e os bispos que existem para o povo: para o conduzirem até Cristo.
 
Um padre e um bispo não podem actuar em nome próprio. Junto do povo, eles são chamados a actuar em nome de Cristo.
 
Jesus Cristo é o modelo do servidor e da recusa do poder. O poder só Lhe trouxe problemas. E não será que, hoje, continua a trazer-Lhe dissabores?
 
Não é, por isso, curial que o padre e o bispo exibam uma pretensa superioridade intelectual.
 
Como nota Joseph Ratzinger, «a fé dos simples apreende o núcleo da fé de modo mais central do que a reflexão dividida por muitos passos e conhecimentos parciais».
 
Os padres e os bispos estão ao serviço da fé dos simples, que «permanece como o grande tesouro da Igreja».
 
Os padres e os bispos não são donos da fé, mas servidores da fé, que está alojada na alma sã do povo simples.
 
 
4. Passando a minha vida a meditar nisto, vou concluindo, cada vez mais, que temos muito a aprender não só nos livros, mas também na vida. Em matéria de fé, o povo é mestre, o povo simples, humilde e puro.
 
Nos santuários, nas igrejas, nas casas ou até nas ruas, há tanto exemplo de fé viva que nos deve levar a pensar.
 
Às vezes, dou comigo a pensar que nem só os pastores deviam falar aos fiéis. Havia também de haver oportunidade de os fiéis falarem aos pastores. Também nos faz bem ouvir, calar, aprender. Com o povo.
 
publicado por Theosfera às 23:46

 

Se é verdade que Deus é a chave para a compreensão do homem, é igualmente certo que o homem é o caminho que nos permite chegar ao próprio Deus.
          Desde logo, porque, segundo a narração bíblica, cada ser humano é imagem e semelhança de Deus.
          Portanto, cada um de nós contém em si afinidades com a vida divina.
          A dignidade da pessoa, a vivência da liberdade e a abertura fundamental para a comunidade são, no fundo, expressões desta imagem e semelhança que fazem do homem a criatura mais próxima de Deus.
          Alguns Padres da Igreja, ao desenvolverem a teologia da imagem, referiam-se ao homem como micro-théos (pequeno deus).
          Xavier Zubiri qualifica mesmo o homem como o modo finito de ser Deus.
          Não se trata, evidentemente, de eliminar a diferença entre Deus e o homem.
          Deus não é criatura e a criatura não é Deus.
publicado por Theosfera às 10:52

Hoje fazia 91 anos o Bispo que me ordenou e que tantas saudades me deixou. O senhor D. António de Castro Xavier Monteiro nasceu em S. João de Airão (Guimarães) a 1 de Dezembro de 1918.
 
Entrou em Lamego em 1972, vindo do Patriarcado de Lisboa, e aqui esteve até à morte, ocorrida a 13 de Agosto de 2000.
 
Diz Elie Wiesel que «esquecer é rejeitar». Seria imperdoável esquecer quem nunca nos esqueceu.
 
O senhor D. António tinha um amor tão acendrado pelos seminários que foi num seminário que ele quis passar os últimos anos. Foi no nosso Seminário que ele consumou a entrega que fizera da sua vida ao Pai. Foi no nosso Seminário que ele culminou o seu sacerdócio e o seu ministério de pastor. Esta casa foi para ele seminário da eternidade, semente de Céu.
 
Cultivava o senhor D. António uma proximidade que surpreendia e cativava. Era dotado de uma nobre simplicidade. Não falava muito com os seminaristas, mas estimulava imenso os seminaristas. O pouco que fazíamos transfigurava-se-lhe sempre em muito.
 
O senhor D. António tinha presença de pastor, palavra de mestre e olhar de pai.
 
Não deixemos apagar o seu rasto. Não extingamos a sua memória. Honremos o seu legado.
publicado por Theosfera às 00:12

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro