O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 17 de Outubro de 2009

A militante coragem dos espanhóis ficou, hoje, uma vez mais, documentada! Multitudinariamente!

publicado por Theosfera às 22:16

O aparecimento de um livro é sempre um evento que deveria ser assinalado e acarinhado.

 

Um livro é sempre uma oferta que o presente faz à eternidade.

 

Nunca se perde o que se escreve. Guarda-se no papel e aninha-se na memória dos que consultam o que no papel se verte.

 

A Dra. Cristina Bernardes é uma jovem investigadora que, neste momento, está a preparar o doutoramento em Ciências da Educação.

 

O livro que apresentou, neste sábado, resulta da dissertação de mestrado em Estudos Portugueses interdisciplinares.

 

Versou o seu trabalho sobre um autor consagrado (Eça de Queiroz), um personagem conhecido (Jacinto) e uma obra popular («A Cidade e as Serras»).

 

O quadro é o século XIX, mas a temática continua a ser deveras pertinente nesta alvorada do século XXI: a decadência, o o tédio e o bocejo.

 

No fundo, tudo aquilo que nós vamos sentindo com força estava já em gérmen nos idos de novecentos.

 

Luis Racionero escreveu, há pouco, uma obra com o arrepiante título «Progresso decadente».

 

No fundo, Queiroz já entrevia o que, presentemente, se vê com toda a nitidez.

 

Esta apresentação teve a particularidade de ser protagonizada por gente pequena, mas com uma energia muito grande: os alunos do Colégio da Imaculada Conceição, estabelecimento do qual a Autora é Directora Pedagógica.

 

Parabéns pelo livro. Parabéns pela apresentação. Parabéns pela nobre simplicidade com que tudo decorreu.

publicado por Theosfera às 19:46

Sobre a participação dos cristãos na política em Portugal, há um factor que explica a situação embora não a justifique.

 

A situação, diga-se, é de grande desconforto.

 

A explicação vem desde a implantação da república. O clima de hostilidade, que conduziu à Lei da Separação (a qual, segundo João Seabra, mais não foi que uma submissão da Igreja ao Estado), conduziu a uma necessidade de protecção.

 

No Estado Novo, houve um ambiente de distensão. Assinou-se a Concordata e o Acordo Missionário. O Estado ofereceu protecção e a Igreja devolveu silêncio.

 

Não havia concordância total. Mas as discordâncias tratavam-se em privado. As poucas vozes da Igreja que se fizeram ouvir (Padre Abel Varzim ou D. António Ferreira Gomes) foram bastante incomodadas. Chegou a haver padres deputados na Assembleia Nacional!

 

Chegados à democracia, houve cidadãos que pensaram na constituição de um partido democrata-cristão.

 

Ouvida a hierarquia, esta disse que não contassem com o seu apoio. Trata-se de uma posição sensata.

 

O carisma da intervenção político-partidária não pertence aos bispos nem aos padres. Mas não lhes cabe tutelar a intervenção cívica dos cristãos.

 

O Concílio Vaticano II é, a este respeito, muito claro.

 

Na Gaudium et Spes, diz-se que nenhum partido (nem um eventual partido democrata-cristão) pode reclamar o exclusivo da mensagem evangélica.

 

E a Lumen Gentium assinala que cabe aos fiéis leigos a intervenção secular, incluindo, portanto, a política.

 

Concretizando, os cristãos não podem reclamar um apoio formal dos padres e dos bispos a um (ou mais) partido(s) que constituam. Mas também não precisam de pedir autorização para se organizarem politicamente.

 

A experiência europeia, neste campo, teve os seus limites. A chamada democracia cristã também colecciona falhanços. Mas nem isso desmerece o esforço de quem arriscou.

 

A União Europeia ficou a dever-se, por exemplo, a políticos desta área: Robert Schuman, De Gasperi ou Adenauer.

 

Em Portugal, optou-se pelo híbrido.

 

Sá Carneiro dizia inspirar-se na doutrina social da Igreja e fundou um Partido Social-Democrata, embora social-democrata se diga também o Partido Socialista.

 

E Amaro da Costa e Freitas do Amaral, que se assumiam como democrata-cristãos, fundaram um Partido do Centro Democrático-Social.

 

Com cada vez mais abstencionistas, há um espaço da nossa democracia que nunca foi preenchido. Hoje, talvez, já seja tarde.

 

Mas porque é que, por fas ou por nefas, nunca nos definimos completamente?

 

Não é muito curial ver o cristianismo adjectivado, quando ele é estruturalmente substantivo.

 

Mas é indiscutível que ele pode constituir um apport para o debate e para a acção.

 

Há cristãos em muitos partidos. Se puder haver cristãos em mais um partido, qual é o problema?

publicado por Theosfera às 12:01

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14




Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro