O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 16 de Novembro de 2013

1. Dizem que o Papa Francisco quase não fala do Vaticano II.

De facto, o Papa não tem citado com frequência os documentos do Concílio. Mas, se repararmos bem, há um documento elaborado durante o Concílio que o Papa tem seguido com uma fidelidade quase escrupulosa.

 

2. Se olharmos para tal documento e para as atitudes do Papa, ficaremos espantados com as afinidades.

O referido texto parece ser um guião para este pontificado. Este pontificado parece ser um decalque daquele texto.

 

3. Assinado a 16 de Novembro de 1965, dá a impressão de ser o programa que Jorge Bergoglio tem cumprido desde há muito.

Foi firmado por 39 bispos depois de uma Missa concelebrada na Catacumba de Santa Domitila. Daí que se tenha tornado público como o «Pacto das Catacumbas».

 

4. Trata-se não tanto de enunciados doutrinais ou de propostas pastorais, mas sobretudo de um compromisso de vida.

Os signatários perceberam que, sem o respaldo de uma vida coerente, a doutrina não convence e a pastoral não funciona.

 

5. O texto é composto por uma introdução e por doze pontos muito concretos e bastante assertivos.

Desde logo, os bispos mostram vontade de «viver como toda a gente, no que concerne à habitação, à alimentação e aos meios de locomoção».

 

6. Renunciam a toda a «aparência de riqueza, especialmente no traje e nas insígnias».

A «gestão financeira nas dioceses é confiada a uma comissão de leigos competentes a fim de eles serem menos administradores e mais pastores e apóstolos».

 

7. Nas relações sociais, prometem evitar «aquilo que possa parecer conferir privilégios ou preferências pelos ricos e poderosos (ex.: banquetes oferecidos ou aceites, lugares reservados nos serviços religiosos, etc.)».

No mesmo sentido, recusam-se a «incentivar a vaidade de quem quer que seja, sob o pretexto de recompensar ou solicitar dádivas».

 

8. Mostram vontade de dar «tudo para o serviço apostólico e pastoral das pessoas e dos grupos economicamente fracos e subdesenvolvidos, sem que isso prejudique outras pessoas e grupos».

Conscientes das exigências da missão, dispõem-se a «procurar transformar as obras de "beneficência" em obras sociais baseadas na caridade e na justiça».

 

9. Assumem-se disponíveis para sensibilizar os responsáveis pelo governo a fim de que ponham em prática «leis, estruturas e instituições necessárias à justiça, à igualdade e ao desenvolvimento harmónico e total do homem todo e de todos os homens».

Comprometem-se a partilhar, na caridade pastoral, a «sua vida com os sacerdotes, religiosos e leigos, para que o ministério constitua um verdadeiro serviço».

 

10. Ainda bem que o Papa Francisco está a tirar este pacto das catacumbas.

É vital que ele toque os crentes. E que possa contagiar a humanidade inteira!

 

publicado por Theosfera às 10:06

De Anónimo a 16 de Novembro de 2013 às 15:51
Que conteúdo tão rico tem este documento! Que pena estar tão escondido! Ainda bem que o Papa Francisco o trouxe à luz do dia. está de parabéns. Oxalá se cumpra, pontualmente o que lá está escrito. Se todos os cristãos o assimilarem e cumprirem o Mundo será, de certeza, bem melhor.


mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro