O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 02 de Outubro de 2013

1. Tudo, nesta vida, tem uma causa. A causa da presente crise é a perda do sentido do outro.

A revolução individualista desencadeou uma cultura egocêntrica e uma mentalidade egolátrica. O eu está no centro ou em cima. O outro encontra-se atrás ou em baixo.

 

2. É certo que nunca estivemos tão perto. Mas também é verdade que nunca nos teremos sentido tão distantes. O mal não é ser diferente. O mal é passar a ser indiferente.

Infelizmente, estar perto nem sempre costuma equivaler a ser próximo. Afinal, há distâncias que nem a pouca distância consegue eliminar.

 

3. O outro tende a ser visto como espectador e instrumento da afirmação do eu.

O eu parece gostar de se afirmar perante os outros e também à custa dos outros.

 

4. No fundo, cada eu sente-se detentor de todos os direitos. Cada outro é encarado como portador de todos os deveres.

Enfim, aos outros mostramos a cara, mas, ao mesmo tempo, viramos as costas.

 

5. O problema do nosso país não é conjuntural; é estrutural. Os outros não nos ajudam. Estão a lucrar com a sua ajuda.

Mas será que, em Portugal, estaremos a pensar uns nos outros? A doença dos outros não será também a nossa enfermidade?

 

6. Eis a síntese do nosso tempo: tanta gente perto; tanta gente só!

Todos vivem ao lado de todos. Mas ninguém parece saber de ninguém. Aos olhos de muitos, será que alguém é mais que ninguém?

 

7. É óbvio que, no tropel de mudanças que estão em curso, o eu ganha muito. Mas arrisca-se a perder o mais importante.

A lógica do lucro valoriza a transacção comercial e subestima o serviço gratuito.

 

8. Ainda há muitos que servem. Mas são cada vez mais os que se servem. O «self service» é uma prática e é sobretudo um sinal.

Servir está a ser um verbo cada vez mais reflexo. Para não poucos, servir é, acima de tudo, servir-se.

 

9. É urgente perceber que nada somos sem os outros. Inferno não são os outros. Inferno é viver sem os outros, contra os outros.

Não é incorrecta a máxima de Descartes: «Penso, logo existo». Mas é mais acertada a advertência de Sampaio da Nóvoa: «Penso nos outros, logo existo».

 

10. De facto, não existo plenamente quando penso. Só existo verdadeiramente quando penso nos outros.

Existir é não desistir. É nunca desistir dos outros.

 

 

publicado por Theosfera às 11:40

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro