O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 11 de Setembro de 2013

1. Para que sejam resolvidos, não basta que os problemas sejam apontados. Antes de mais, é fundamental que sejam assumidos.

Nos começos do Cristianismo, este reconhecimento dos erros era habitual. Na actualidade, vai-se tornando de novo frequente.

 

2. No século VI, houve um Papa chamado Gregório — conhecido como Grande — que assumia com espantosa franqueza: «É verdade que recebemos o ministério sacerdotal, mas não cumprimos as obrigações do cargo».

Incisivo era também o seu apelo: «Não sejamos sentinelas silenciosas, mas pastores solícitos que velam pelo rebanho de Cristo, pregando a doutrina de Deus ao grande e ao pequeno, ao rico e ao pobre».

 

3. Sintomaticamente, o Papa Francisco vai na mesma direcção.

Ainda recentemente, disse aos pastores das comunidades para terem sempre «as portas abertas». Que não se deixem seduzir «pela arrogância, pela ambição de carreira, de dinheiro e por compromissos com o espírito do mundo».

 

4. A ser assim, correriam o risco de «se transformarem em funcionários, em empregados, mais preocupados consigo mesmos, pela organização e pela estrutura do que pelo bem do povo de Deus».

Aliás, ser pastor, para o Papa, não é ir necessariamente à frente. É também «estar disposto a caminhar no meio ou até atrás do rebanho». O pastor está à frente para conduzir, no meio para acompanhar e atrás para proteger. Não foi assim Jesus?

 

5. A humildade não desclassifica o pastor. Pelo contrário, requalifica-o soberanamente.

Faz-lhe inalar o odor das ovelhas, que também sabem trilhar o caminho d’Aquele que é o Caminho (cf. Jo 14, 6).

 

6. As ovelhas, na hora que passa, precisam não de quem dê ordens, mas de quem dê a vida.

Daí que o Santo Padre, que muito tem homiliado sobre o tema, convide os pastores a «divulgarem a esperança», tendo «os corações, as mãos e as portas abertas em todas as circunstâncias».

 

7. É mister perceber que a proposta de Jesus é um crescimento no amor e não uma subida no poder.

O pastor deve saber baixar-se no encontro com as pessoas. Ele deve ser mergulhador, não alpinista. A sua preocupação deve ser mergulhar nas profundezas da existência e não «subir na vida, para ter mais poder».

 

8. Infelizmente, há quem pense «que seguir Jesus é fazer carreira». Mas não é. «O cristão segue Jesus por amor». Só por amor. Sempre por amor.

É por isso que o cristão está no mundo. Mas sem se deixar contaminar pelo espírito mundano.

 

publicado por Theosfera às 10:18

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro