O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 26 de Maio de 2013

Neste dia da solenidade da Santíssima Trindade, o mistério por excelência, somos, uma vez mais, confrontados com os limites da linguagem.

 

Para falar de Deus, a linguagem parece um estorvo. E, de facto, não é uma estrada muito plana. É, acima de tudo, uma via muito íngreme, acidentada.

 

Fala-se, habitualmente, da Trindade como um sistema de relações (geração, espiração, pericorese, circumincessão, agenesia, etc.).

 

Raimon Pannikar disse a um bispo africano, aflito por não conseguir transpor este discurso para os seus diocesanos, que ele era um homem cheio de sorte. É que, em relação a Deus, é muito mais o que não sabemos do que o que sabemos.

 

Já Tomás de Aquino aludia à miséria das palavras (inopia vocabulorum). Como lembrava alguém, só é possível compreender Deus se não O quisermos explicar. A Teologia será sempre gaga. Só por tímidos balbucios deixará escapar algo do muito que (não) sabe.

 

Para falar de Deus, resta-nos o amor. Agostinho de Tagaste dizia que o Pai é o amante, o Filho o amado e o Espírito Santo o amor. É uma concepção colada à matriz neotestamentária: «Deus é amor» (1Jo 4, 8.16).

 

Entretanto, Mestre Eckhart, com a irreverência mística do seu génio, chega à mesma conclusão usando a linguagem do...riso: «O Pai ri para o Filho e o Filho ri para o Pai, e o riso gera prazer, e o prazer gera alegria, e a alegria gera amor».

 

Sublime! E, sem dúvida, muito comovente!

publicado por Theosfera às 08:48

De José a 26 de Maio de 2013 às 14:45
Se Deus é amor, o episódio de Ananias e Safira, dos Actos dos Apóstolos, não é propriamente revelador da bondade de Deus.

De Theosfera a 26 de Maio de 2013 às 15:07
Compreendo o espanto e a perplexidade. Mas uma coisa é a identidade de Deus, outra coisa são as leituras humanas sobre Deus. Obrigado pelo contributo. Santo e feliz Domingo.

De José a 26 de Maio de 2013 às 16:26
Sim, concordo. Uma coisa é a identidade de Deus, outra coisa são as leituras humanas sobre Deus. Outra coisa ainda são os escritos que alguns homens atribuem à inspiração divina, mas que de divina não têm nada, incluindo o lamentável relato de Ananias e Safira. Nesse relato, se o mesmo tivesse sido historicamente verdadeiro, S. Pedro teria assistido, impávido e sereno ao suposto castigo de Deus sobre Ananias e Safira, por razões tão mesquinhas como as materiais. Mas, independentemente de quais tivessem sido essas razões, não foi Jesus Cristo quem, segundo o Evangelho, teria também afirmado que o pecado contra o Espírito Santo é imperdoável ? Mas que bondade de Deus seria essa, se o próprio Deus castigasse quem O ofendesse? Afinal, temos um Deus a apregoar, em Jesus Cristo, que devemos perdoar sempre e depois voltaríamos a ter um Deus justiceiro, que, em vez de dar o primeiro e maior exemplo do perdão, condena à morte Ananias e Safira? Confesso que a minha desilusão com estas notórias contradições do Cristianismo é crescente. Resta-me a esperança de poder ainda admitir que o verdadeiro Jesus Cristo nada tem a ver com a imagem deplorável que alguns fizerem dele. Será talvez esse o genuíno Cristo da fé: um Jesus Cristo não esquizofrénico. Ou seja, um Jesus Cristo bem longe de certas passagens menores do Evangelho: o Cristo do Santo Sudário, onde a sua real manifestação não se fez por palavras equívocas mas por presença espiritual.

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro