O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 15 de Maio de 2013

1. Não falta — a esta hora — quem, além da admiração pelo Papa, se aperceba de um certo contraste entre ele e muitas estruturas da Igreja.

É natural, por isso, que, neste tempo novo, surjam perguntas novas: que tem de especial o Papa Francisco?; o que levará tantos a admirá-lo tanto?

É então que sobrevirá a pergunta de sempre: o que falta na Igreja para cativar, para convencer de modo persistente e para motivar de forma duradoura?

 

2. O que tem faltado à Igreja é o que abunda no Papa: «vinho»! Sim, falta-nos «vinho». Aliás, não custará muito imaginar Maria, na eternidade, a continuar a dizer a Seu Filho o mesmo que disse em Caná: «Não têm vinho» (Jo 2, 3).

Parece que, como há dois mil anos, o «vinho» se esgota rapidamente. Este «vinho» não é o líquido que costumamos ingerir. Este «vinho» é, como notou Carlo Maria Martini, «a alegria do Evangelho».

 

3. De facto e como observa Medard Kehl, às vezes dá a impressão de que «a Igreja se assemelha mais a um velório do que a uma festa».

Não é tanto o riso que está em défice. O que parece escassear é a vivacidade, a transparência, a substância, a autenticidade, o sabor!

 

4. É preciso recolocar no centro duas atitudes que tendemos a subestimar: a transparência do testemunho e a paciência na missão.

Convém não esquecer que Jesus sempre verberou a hipocrisia, o jogo escondido, a intenção subterrânea e a cobardia.

 

5. A mudança é um processo demorado e, quase sempre, doloroso. É tecido com resistências e nem sequer está imune a recuos e atropelos.

Começa por implicar algo elementar, mas inquestionavelmente difícil: reconhecer os erros e assumir as falhas.

 

6. Uma coisa é certa. Nunca há fraqueza na franqueza. Medard Kehl advoga a reactivação «da velha virtude bíblica da franqueza especialmente onde determinados grupos e indivíduos parecem não corresponder ao imperativo de tornar transparente, hoje, Jesus Cristo e o Seu Evangelho».

Não pode haver desconfiança em relação ao diferente, nem receio diante do novo. Não estará o Espírito de Jesus a falar-nos, nestes tempos, como falou nos primeiros tempos?

 

7. No entanto, é fundamental que a franqueza seja temperada pela paciência. O embate com uma realidade granítica pode atrair a impaciência e conduzir à desistência.

Não podemos viver obcecados com o imediato. As dores da mudança são dores de uma vida que nasce e não de um corpo que adoece.

 

8. Como lembra Madeleine Delbrêl, «se o compromisso em favor da mudança não se alimenta de uma paciência contemplativa acabará por ser infecundo».

É por isso que, segundo Hermann Hesse, a paciência pode ser mais importante do que a própria inteligência.

 

9. A paciência ajuda a persistir mesmo perante os dados da evidência. A paciência vive de uma saudável transgressão das evidências. De resto, a experiência mostra que as evidências também se alteram.

Percebe-se, pois, que Hans Schaller assegure que «a paciência não é uma virtude de pessoas de carácter passivo ou resignado. Pelo contrário, a paciência impede que nada (nem ninguém) destrua a confiança interior».

 

10. A paciência põe a esperança em dia. A paciência não exclui a acção. A paciência é o melhor combustível para a acção. É o combustível que nunca se extingue.

A paciência pode exasperar. Mas não é a paciência que complica. A falta de paciência é que tudo destrói!

publicado por Theosfera às 20:16

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro