O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 13 de Abril de 2013

Há palavras que queimam como raios, correm como setas e magoam como pedras.

Faltam palavras que brilhem como estrelas. Que se destaquem pela subtileza e que primem pela claridade.

Eram essas as palavras que usava o Padre António Vieira. Era assim que ele acolhia as palavras. «Como hão-de ser as palavras? Como as estrelas. As estrelas são muito distintas e muito claras. Assim há-de ser o estilo da pregação: muito distinto e muito claro».

Não é fácil. Será impossível?

publicado por Theosfera às 13:42

De Maria da Paz a 16 de Abril de 2013 às 00:25
Rev.mo Senhor Doutor:
Há muito que considero V . Rev.ª como fiel discípulo do «Imperador da Língua Portuguesa».
Afectuosamente,
Maria da Paz

De Anónimo a 18 de Abril de 2013 às 21:49
Concordo. Mas temos de convir, que não há muitas pessoas a quem possamos atribuir tão nobre título

De Maria da Paz a 18 de Abril de 2013 às 23:38
Ex.mo Senhor Anónimo:
É óbvio!
Os meus cumprimentos.
Maria da Paz


mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro