O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2010

 

O pedido de Jesus a S. Francisco de Assis - «Vai, Francisco, e restaura a Minha Igreja em ruínas» - fez-se ouvir, de novo, esta manhã, em Roma.

 

O Santo Padre evocou este simples evento da palavra do Senhor ouvida na igreja de S. Damião que esconde um profundo simbolismo.

 

S. Francisco é chamado a restaurar aquela igrejinha, mas o estado de ruínas daquele edifício é um símbolo da situação dramática e preocupante da própria Igreja naquele tempo, com uma fé superficial que não forma e não transforma a vida, com um clero pouco zeloso, com o arrefecimento do amor; de uma destruição interior da igreja, que envolve também uma decomposição da unidade, com o surgimento de movimentos heréticos.

 

Todavia, no centro daquela igreja em ruínas está o Crucifixo quee fala, convidando à renovação. Convida, de facto, Francisco ao trabalho manual para restaurar concretamente a igrejinha de S. Damião, símbolo do apelo mais profundo a renovar a própria Igreja de Cristo, com a sua radicalidade de fé e com o seu entusiasmo do seu amor por Cristo.

 

Este acontecimento, ocorrido provavelmente em 1205, traz à mente um outro incidente semelhante ocorrido em 1207: o sonho do Papa Inocêncio III.

 

Ele vê em sonhos que a Basílica de São João de Latrão, a igreja mãe de todas as igrejas, está a desmoronar-se e um pequeno e insignificante religioso sustenta em seus ombros a igreja para que não caia.

 

É interessante notar, por um lado, que não é o Papa que dá o auxílio para que a igreja não desabe, mas um pequeno e insignificante religioso, que o Papa reconhece ser Francisco que o visita.

 

Inocêncio III foi um Papa vigoroso, de grande cultura teológica, como também de grande poder político.

 

No entanto, não é ele que renova a Igreja, mas o pequeno e insignificante religioso: é S. Francisco, chamado por Deus.

 

Por outro lado, é importante notar que S. Francisco não renova a Igreja sem ou contra o Papa, mas só em comunhão com ele.

 

Os dois realmente caminham juntos: o Sucessor de Pedro, os bispos, a Igreja fundada sobre a sucessão dos Apóstolos e o carisma novo que o Espírito Santo cria naquele momento para renovar a Igreja. Ao mesmo tempo cresce a verdadeira renovação.

 

O Pobrezinho de Assis havia compreendido que cada carisma é dado pelo Espírito Santo a serviço do Corpo de Cristo, que é a Igreja; por isso agiu sempre em plena comunhão com a autoridade eclesiástica.

 

Na vida dos santos não há contradição entre o carisma profético e o carisma de governo e, se alguma tensão ocorre, eles sabem esperar com paciência o tempo do Espírito Santo.

 

Importa, entretanto, notar que é a um pobre que Cristo pede a restauração da Sua Igreja. Só pela pobreza e pela simplicidade acontece a renovação e a fidelidade.

 

Que estamos a fazer da pobreza e da opção preferencial pelos mais pobres?

publicado por Theosfera às 20:45

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro