O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 20 de Outubro de 2012

Muito há para começar, mesmo quando parece que tudo está a terminar.

Os começos apontam para o fim. Cada fim prenuncia novos começos.

Não se trata de um eterno retorno, mas de um permanente recomeço.

Neste sentido, é bem oportuna a recomendação de Scott Fitzgerald: «A vitalidade não se revela apenas na capacidade de persistir, mas também na capacidade de começar tudo de novo»!

Uma única coisa não se deve começar. Não se deve começar a desistir. Nem se deve desistir de recomeçar. Nem o fim põe em perigo o novo começo.

Goethe dizia que «a vida é a infância da imortalidade».

Por entre quedas e recuos, temos a certeza de que vamos a caminho do cume, da plenitude, da meta, de algo que os nossos sonhos divisam ainda que as nossas palavras não abarquem.

O melhor está para vir. O melhor não é dizível. Mas há-de ser vivido!

publicado por Theosfera às 11:04

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro