O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 26 de Julho de 2012
Neste Dia dos Avós, queria dizer que só conheci uma Avó. Chamava-se Isaura. Era Mãe da minha Mãe. Tinha eu 9 anos e ela 74 quando, a 1 de Novembro de 1974, fomos ao cemitério da Senhora da Guia. Fomos, não. Foram meus Pais e meu Irmão. Eu fiquei no carro com a minha Avó.

Nunca esqueci o que ela me disse a certa altura: «Olha, meu neto, se calhar daqui a um ano também já me vens visitar aqui, ao cemitério!» Não liguei.

A 30 de Dezembro daquele ano, manhã cedo, andava com meus Pais a apanhar azeitona, quando alguém vem dizer que a minha Avó tinha tido uma trombose.

Imediatamente se chamou o Médico, que prontamente apareceu. Mas não houve nada a fazer.

Minha querida Avó partiu para Deus, após uma vida sacrificada.

Todos a conheciam por «Isaurinha de Porto de Rei», o lugar onde viveu.

Sei que chorei bastante com as saudades.

Nunca deixei de rezar por ela.

Sei que está junto de Deus. E conservo a imagem de uma pessoa de bem no meu coração.
publicado por Theosfera às 10:07

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro