O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 09 de Julho de 2012

1. Os tempos não correm fagueiros para a moderação nem, obviamente, para os moderados.

No mundo e em quase todos os sectores da vida, são os extremos que predominam, agredindo-se e correndo o risco de (mutuamente) se anularem.

 

2. Não foi por mero ornamento retórico que Eric Hobsbawm qualificou a nossa época como sendo a «era dos extremos».

Os extremos são sedutores pela (aparente) clarificação. Mas tornam-se ameaçadores pela (perigosa) simplificação.

 

3. Os extremos fomentam o sectarismo, o pensamento redutor e o comportamento excludente. Estigmatiza-se a moderação como sendo incapacidade de optar. Diria que não necessariamente.

A moderação nasce da capacidade de fazer a síntese entre diferentes e de operar a convergência entre contrários.

 

4. A nomeação de Gerhard Muller para a Congregação da Doutrina da Fé parece constituir uma aposta neste encontro entre posições diversas.

Além de ser um teólogo renomado (com uma amplíssima obra publicada), tem pautado a sua trajectória por uma apreciável dose de sensatez.

 

5. A missão de que foi incumbido costuma ser designada como «guardiã da ortodoxia». A sua trajectória revela que essa ortodoxia, que ele obviamente pretende guardar, nunca é separável da ortropraxia, que ele sempre mostrou priorizar.

A sua proximidade com Gustavo Gutiérrez (um dos expoentes da Teologia da Libertação) indica que uma ortodoxia só é ortodoxa quando integra a ortopraxia.

O recto pensar terá de abranger sempre o recto agir. Por isso é que Gerhard Muller diz que «a Teologia de Gutiérrez é ortodoxa porque é "prática"».

 

6. E até neste ponto o percurso do novo Prefeito da Congregação da Doutrina da Fé é iluminador.

Com efeito, Gerhard Muller é amigo pessoal de Bento XVI, tendo fundado um instituto para publicar 16 volumes de escritos do Sumo Pontífice.

E, ao mesmo tempo, também é amigo pessoal de Gustavo Gutiérrez, de quem aliás foi aluno. Em conjunto escreveram o livro «Do lado dos pobres - a Teologia da Libertação», publicado em 2004.

Em 2008, Gerhard Muller defendeu o movimento como uma interpretação correcta dos ensinamentos da Igreja sobre os pobres, e não um apelo à revolução, argumento central da crítica do então cardeal Joseph Ratzinger.

 

7. Habitualmente, preocupamo-nos com os erros doutrinais. E tendemos a negligenciar a falhas vivenciais.

O ortodoxo não é aquele que aprende mais doutrina, mas aquele que procura viver melhor a doutrina que aprende.

As duas dimensões são importantes. Postulam-se.

 

 

8. Uma síntese não é apenas uma condensação de posições diversas. É, acima de tudo, um esforço de encontro entre visões diferentes.

Uma síntese acaba por ser movimento que vai da tese para a antítese. A síntese não é, pois, o que vem após a tese e a antítese, mas o que está entre a tese e a antítese.

 

9. Abrir pontes onde costuma haver muros é uma missão espinhosa, mas é igualmente um trabalho estimulante. É importante que se defendam pontos de vista próprios. Mas também é salutar que não falte abertura às posições dos outros, ainda que pareçam opostas.

A «ética da responsabilidade» não elimina a «ética da convicção». E uma convicção de que somos portadores desde os começos é que as «sementes do Verbo» estão disseminadas por todos os homens.

 

10. Na procura da verdade, há certamente correcções a fazer e precisões a efectuar. Mas tais correcções e precisões devem surgir mais como um serviço fraterno do que como uma sentença impiedosa.

No tempo, todos participamos da condição de «homo viator». Ainda não atingimos a meta. Ainda somos (todos) viandantes, peregrinos de uma pátria cujos vislumbres nos vão sendo oferecidos.

 

11. Numa Igreja que se vê como um corpo (assim no-la apresentou S. Paulo), todos são portadores de um carisma, de um dom. Os carismas e os dons não são estanques. Circulam em todos e interpelam-se entre si. A verdade é sempre para procurar. Alguma vez será para possuir? Necessário não é possuir a verdade, mas deixar-se possuir pela verdade.

 

 

12. Haver alguém que apela para uma síntese é uma bênção. E uma oportunidade para que não descuremos a prática. Sobretudo na defesa dos mais pobres e dos oprimidos.

Mantenhamos, por isso, a indispensável coerência nos princípios e não desleixemos o inadiável compromisso com a sua aplicação.

Quem não ama o próximo como pode pretender amar a Deus?

 

13. Não separemos o que Deus uniu. Foi Deus que uniu a verdade e o amor, a doutrina e a caridade. Neste caso, querer menos que tudo é querer nada!

publicado por Theosfera às 11:32

De António a 9 de Julho de 2012 às 15:36
O estimado Padre João António sempre com a palavra justíssima e divinamente inspirada. Abraço amigo.

De Theosfera a 9 de Julho de 2012 às 15:55
Muito obrigado, bom Amigo, pela sua benevolência. Deus o abençoe. Abraço.

De maria a 9 de Julho de 2012 às 21:55
foi com enorme prazer que li este comentário.

De Theosfera a 10 de Julho de 2012 às 07:13
Muito obrigado. Deus a abençoe. Um santo e feliz dia.


mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro