O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 06 de Junho de 2012
Por vezes, os olhos dos outros dizem mais sobre nós do que nós próprios. E, não raramente, até precisaremos desse olhar para recuperar a auto-estima perdida.

O ateu deve estar atento às justificações dos crentes. O crente deve estar atento às interrogações dos ateus.

Alain de Botton acaba de lançar «Religião para ateus» (ed. D. Quixote), apresentando a fé aos que, como ele, consideram não ter fé.

E nas religiões valoriza, desde logo, as respostas simples para problemas complicados.

É claro que, em nome da religião, também se mata. Mas as religiões «dizem-nos que podemos apertar a mão a um estranho».

Isto parece demasiado trivial, mas porventura é o gesto mais transcendente que praticar se pode.

Outro aspecto tem que ver com a ideia de comunidade.

Quando vamos a uma cidade, podemos ter um guia que nos fala de lugares novos.

Mas dificilmente entabulamos diálogo com desconhecidos.

Já «as comunidades religiosas têm anfitriões, alguém que apresenta desconhecidos e torna possível a comunidade».

No mundo hodierno, abundam edifícios para comprar tudo, mas faltam lugares «para fazer qualquer coisa dentro de nós próprios, na nossa alma».

É interessante notar como também um ateu fala de alma, da «nossa alma».

E mais notável ainda é verificar que aquilo que um ateu mais sublinha nas religiões é o Mistério, esse mistério tantas vezes ostracizado e vulgarizado em ambientes religiosos.

«Gosto de muitos conceitos religiosos, mesmo que não acredite neles».

De igual modo, «a ideia de que os seres humanos têm falhas é muito interessante. Trata-se de um óptimo ponto de partida para a vida social».

Será possível a um ateu imaginar Deus? Sim. «Como alguém que está presente, que olha por ti, que conhece a tua mente melhor do que tu mesmo. Admito que quem acredita tem esperança de que Deus o vai ajudar a encontrar o caminho. Porque Deus é amor e por isso nunca se está sozinho».

É certo que Botton não considera isto plausível. Mas, a haver Deus, é assim que O imagina. E, de facto, não está nada longe da verdade!
publicado por Theosfera às 00:35

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro