O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 11 de Abril de 2012

Por que razão nos deixa Deus sofrer?

Eis a pergunta suprema, a interrogação total.

Muitas têm sido, ao longo dos séculos, as respostas intentadas.

Uns dizem que o sofrimento decorre da natureza. Outros apelam para a liberdade. Outros falam da provação ou até de um teste para a outra vida. E a insatisfação persiste.

O grande Karl Rahner não se furtou ao questionamento. E, depois de analisar tudo, apela para a incompreensibilidade estrutural do sofrimento e para a incompreensibilidade congénita de Deus.

Há que olhar para Jesus Cristo na Cruz. Nem Ele foi poupado. Nem tudo é para perceber!

publicado por Theosfera às 10:13

De António a 11 de Abril de 2012 às 13:35
Sobre a questão do Sofrimento, creio que a melhor resposta foi dada pelos hindus, pelos budistas e pelos espíritas. Mas há outras questões que se me afiguram ainda mais teologicamente inquietantes, como, por exemplo, esta:

Por que razão haveria Deus de operar milagres nuns e não noutros ?


De Theosfera a 11 de Abril de 2012 às 15:46
A resposta pertence ao insondável, ao mistério. Quando lemos o texto de Karl Rahner, a que aludi, ficamos impressionados. O não saber encontra no sofrimento o seu lugar natural. Abraço amigo no Senhor. Obrigado por tudo.


mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro