O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 25 de Julho de 2017
  1. Há sinais de que continua a haver crentes como sempre.

Mas, ao mesmo tempo, crescem os indícios de que a humanidade está a tornar-se ateia como nunca.

 

  1. Já Xavier Zubiri, com vendavais de lucidez e espamos de provocação, tinha notado que «o homem actual é, em boa medida, ateu».

É óbvio que não estava a pensar apenas nos que se assumem ateus. Estava seguramente a olhar também para tantos que se confessam crentes.

 

  1. Há pessoas que dizem crer em Deus, mas, no fundo, não se deixam conduzir por Deus.

Conduzem-se por si mesmas: pelas suas aspirações, pelas suas capacidades, pelos seus recursos.

 

  1. No limite, não seguem o Deus revelado, mas um «deus» fabricado.

Parafraseando Feuerbach, dir-se-ia que o homem está a chegar ao ponto de se tornar «deus» para ele próprio.

 

  1. Não estamos perante um «ateísmo-contra», mas perante um «ateísmo-sem».

Ou seja, estamos perante um ateísmo feito não de negação, mas de ausência.

 

  1. Não é que Deus Se tenha ausentado do homem. É o homem que se tem ausentado de Deus.

Só que este é o ateísmo radical. Não é um ateísmo postulatório, agressivo. Mas é um ateísmo profundamente invasivo. Não se confere pelo contacto com um pensamento ateu; sente-se pelo pulsar de toda uma vida ateia, sem Deus.

 

  1. Uma «vida ateia» não se posiciona «contra» Deus; limita-se a remar «sem» Deus.

Para Xavier Zubiri, uma «vida ateia» não se afirma «contra nada nem contra ninguém». Afirma-se meramente «por si mesma»: na companhia dos seus fracassos e dos seus êxitos.

 

  1. O certo é que este solipsismo existencial vai fazendo o seu caminho.

São cada vez mais os que se resignam a permanecer «aposentados na sua vida». O seu horizonte parece ser mais a técnica do que a eternidade. A humanidade descobre-se «imersa na técnica, que quase não põe limites ao domínio da natureza pelo homem».

 

  1. Não espanta, por isso, que o homem actual tenha dificuldade em aceitar «a ideia de um ser supremo».

Sem se aperceber, ele coloca o divino ao nível do humano e coloca o humano ao nível do divino.

 

  1. São muitos os que, hoje em dia, se comportam como «pós-crentes». Não negam. Até dizem que crêem. Mas vivem como se não cressem.

Desistiram de Deus? Ainda bem que Deus não desiste de ninguém!

publicado por Theosfera às 10:05

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
contador
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro