O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 23 de Dezembro de 2013

Está quase a chegar o dia dos Meus anos.

 

Eu sei que muitos mal se lembram,

mas o Natal é mesmo o dia em que se assinala o Meu nascimento.

 

Às vezes, parece que o Natal é como um aniversário sem aniversariante.

 

Vejo as pessoas a correr, a comprar e a comer.

Eu até fico contente.

Mas gostava de ver também as pessoas a meditar,

a pensar um pouco no significado deste dia.

 

Toda a gente celebra o seu aniversário.

Amanhã é o dia em que se celebra o Meu.

 

É claro que ninguém sabe ao certo diaem que Eu nasci.

Também não quis que isso ficasse registado.

Porque Eu não nasci apenas naquele dia.

Eu quero renascer em cada dia.

 

Conto convosco para realizar o Meu sonho,

o sonho que trago coMigo há dois mil anos,

mas que quase ninguém Me deixa realizar.

 

Sonho com um mundo onde só haja paz, justiça,

liberdade, amor, fraternidade.

 

Sonho com um mundo onde todos dêem as mãos,

onde todos se ajudem,

onde todos se estimem como irmãos.

 

Sonho com um mundo onde não haja distância entre ricos e pobres,

onde não seja preciso colocar fechaduras à porta de casa

e sobretudo onde ninguém queira colocar fechaduras à porta do seu coração.

 

Sonho com um mundo onde as pessoas sejam tratadas como pessoas

e não de acordo com a sua posição social ou económica.

 

Sonho com um mundo onde todas as pessoas tenham acesso à saúde,

à educação, à habitação, ao trabalho.

 

Sonho com um mundo onde as crianças sejam acarinhadas

e os velhinhos sejam respeitados.

 

Já vos estou a ouvir dizer que é um sonho impossível.

Mas impossível porquê?

 

Eu continuo a acreditar neste sonho

e conto convosco para o realizar.

Quereis ajudar-Me?

 

Sei que, apesar da crise, ides trocar muitas prendas.

Mas queria que soubésseis que o melhor presente

é o presente da presença.

Eu estou presente em vós.

Cada um de vós está presente em Mim.

 

E «onde estás Tu?», já vos oiço perguntar.

Não. Não Me procureis na riqueza, na glória, no poder.

Eu não estou aí.

 

Se quiserdes encontrar-Me, procurai-Me na simplicidade,

na humildade, na pobreza, no despojamento.

Por muito que vos espante, é aí que Me encontro.

 

Se fordes humildes e puros,

se fordes capazes de ver a Minha imagem esculpida nas crianças,

nos doentes, nos marginalizados e nos pobres,

se pensardes nos outros e não apenas em vós,

não tenhais dúvida de que haveis de Me encontrar.

 

Eu disse muita coisa há dois mil anos,

muita coisa que muitos não sabem,

que outros esqueceram

e que muitos, mesmo sabendo e não tendo esquecido, não põem em prática.

 

Não falta quem repita as Minhas palavras

e explique, muito doutamente, os Meus ensinamentos.

 

Mas Eu só quero que guardeis um mandamento:

«Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei».

Basta isto. Apenas isto. Sempre isto.

 

Não quero mais nada. O amor é tudo.

Foi para isso que Eu nasci: para vos amar e para que vós vos ameis.

 

Eu continuo convosco.

Na noite de Natal, vou estar em vossa casa.

E, em cada dia, estarei no vosso coração, na vossa vida.

Cada um de vós é o presépio onde Eu quero estar.

 

Que, em vossa casa, haja amor, alegria, saúde e bondade.

Não desistais nas horas difíceis.

Podeis contar sempre coMigo.

 

Que seja Natal não apenas no dia 25.

Que seja Natal todos os dias.

Que seja Natal agora.

E que tenhais sempre um Feliz Natal!

 

Eternamente vosso

Jesus

 

publicado por Theosfera às 22:52

1. É possível que, a esta hora, o vá encontrar, estimado leitor, em viagem, a caminho de casa ou de algum supermercado. Provavelmente, ter-se-á lembrado de que ainda faltava alguma compra de última hora.


A azáfama é grande e as despesas já são muitas. Mas, lá no fundo, sente que vale a pena todos os sacrifícios para ter a casa cheia, a mesa farta e a família reunida.


É bonito — muito bonito — ver os mais pequenos felizes e os mais idosos a brincar com eles.


E como é reconfortante ter um intervalo de serenidade no meio do bulício desenfreado em que se transformou a rotina da nossa vida!


Vai correr tudo bem, estou certo disso. A noite de Natal possui, de facto, um encantamento único, intraduzível em palavras.



2. Não tenha problema em assumir que o Natal é a festa de Jesus. É a festa do Seu nascimento, embora não saibamos, ao certo, a data em que Ele nasceu.


Às vezes, o Natal parece um aniversário sem aniversariante. Pensamos em todos e cuidamos de tudo. Parece que só nos esquecemos d’Ele. Logo d’Ele que é a razão última desta festa.


Até foi preciso lançar uma campanha de estandartes com o Menino Jesus para que nos lembremos do verdadeiro sentido do Natal.


Para muitos, com efeito, quando se fala de Natal, a primeira figura que vem à mente já não é o Menino, mas o Pai Natal.


Há quem leve o escrúpulo a tal ponto que, em vez de desejar bom Natal, se limita a escrever o genérico boas festas ou até a optar pelo estranhíssimo felizes festas de Inverno! Porquê?



3. Fixe, por isso, o seu olhar em Jesus. Não arrume o Pai Natal num canto, se o tiver em casa, mas faça um presépio.


Se achar bem, ponha lá a árvore de Natal. Ponha lá os presentes para os seus filhos, mas, já agora, acrescente também qualquer coisa para dar aos mais pobres.


Não deixe, porém, de colocar bem no centro o Menino, o Menino Jesus. E, antes de começar a consoada, convide toda a sua família para contemplar um pouco este quadro,o quadro de um Deus que Se faz Menino e de um Menino que se faz Deus.


Se lhe for possível, vá à Missa do Galo. Porventura, está a pensar ir no dia de Natal. E faz muito bem. Mas, se puder, vá também na noite anterior. Não se arrependerá.


É certo que está frio e sabe bem estar em casa. Mas faça um esforço. Alargue a sua família à família dos outros.


O frio desta noite é um frio saboroso, é um frio que aquece. Quando faz anos alguém que nós estimamos, passamos por sua casa. Pois a igreja é a casa de Jesus.


Eu sei que está bastante desencantado com o que se passa na Igreja. Mas o estimado leitor irá por causa de Jesus. Que, aliás, também não estará totalmente contente com o que na Igreja acontece. E quem sabe se Ele, Jesus, não estará à sua espera para a mudança que Ele deseja?



4. Penso sobretudo em si que está afectado pela pobreza. Pois olhe que Jesus também nasceu pobre.


Penso particularmente em si que se sente diminuído por levar uma vida simples. Lembre-se que Jesus foi sempre simples.


Penso especialmente em si que se vê cercado de injustiças. Não esqueça que Jesus também foi vítima da injustiça.


Ele é a pessoa mais identificada consigo e mais próxima de si. Ele pensa em si, mesmo quando não tem tempo de pensar n’Ele.


O meu coração vai nomeadamente ao encontro de si que foi posto na rua, no desemprego. Olhe que é na rua que Jesus Se encontra.


Ele tornou-Se um de nós. Ele veio para nos reconciliar, para nos aproximar.


O sinal de que estamos com Ele é a bondade, a tolerância, a opção preferencial pelos pobres.


Que a paz de Jesus esteja consigo, estimado leitor. Seja feliz neste Natal. Seja feliz sempre.


O nascimento é de Jesus. O Natal é para si. Por isso, alegre-se. Comova-se. Chore. Sorria. Cumprimente. Abrace. E tente fazer do Natal um dia com 365 dias.


Difícil? Sem dúvida. Mas não impossível. Há muitos escolhos. Mas tem um aliado de peso: o próprio Jesus.


Ele veio também para si. Ele está dentro de si. E tenha a certeza de que Ele conta consigo para mudar o mundo!
publicado por Theosfera às 22:48

Eu sei que, neste tempo ferozmente ruidoso, o silêncio não goza de boa reputação.

Quem não fala é como se não existisse.

Quem não responde a uma provocação é visto como fraco.

Quem não refuta um argumento contrário é tido por ignorante.

Não se defender de uma calúnia equivale a admitir a culpa.

Enfim, uma panóplia de lugares-comuns que os tempos vão impondo.

Nem sequer reparamos nas lições da vida.

Duas das mais importantes figuras da história usaram de extrema parcimónia no manuseio das palavras.

Maria foi alguém que falou muito pouco. E S. José atravessa os Evangelhos sem dizer uma única palavra.

Nem só os lábios falam. Muito se pode dizer sem falar!

publicado por Theosfera às 11:18

O Natal tem figuras. E vai tendo cada vez mais desfiguras, tristes figuras.

Vai tendo cada vez mais consumismo, cada vez mais vaidade, cada vez mais pose, cada vez mais correria, cada vez mais exterioridade.

De facto, tudo muda. E não necessariamente para melhor.

Respeitemos todas as opções. E saudemos a elasticidade celebrativa de muitos em relação ao Natal.

Mas não pratiquemos exclusões. Não excluamos Jesus. Afinal, o que é o Natal?

publicado por Theosfera às 10:43

Há coisas que não devemos fazer nunca, por muito aplausos que suscitam.

Há coisas que temos de fazer sempre, por bastas rejeições que gerem.

Bem dizia Pierre Corneille: «Voltaria a fazê-lo se o tivesse de fazer».

Isto tem o nome de coerência. E o sobrenome de perseverança!

publicado por Theosfera às 10:30

Não desvalorizemos ninguém.

A humanidade não é a mesma sem cada ser humano.

Por muito frágil que pareça, é um elemento imprescindível da comum humanidade.

Já Arthur Conan Doyle avisava: «Nenhuma cadeia é mais forte do que o seu elo mais fraco»!

publicado por Theosfera às 10:22

Hoje, 23 de Dezembro, é dia de S. João de Kenty, Sta Vitória, Sta. Anatólia, S. Sérvulo e Sta. Maria Margarida Dufrost de Lajemmerais.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
contador
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro