O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 19 de Março de 2012
Alguém pode dizer que conhecia o actual treinador do Sporting? Duvido.
 
Com ele, o clube já ganhou e já perdeu. E, não obstante, vemos uma pessoa ponderada, serena, madura, amortecedora de tensões, comedida, magnânima, contida.
 
Ninguém diga que, a partir de certa altura, é impossível mudar.
 
O autodomínio é uma conquista que está sempre ao alcance. Leva tempo, mas obtém-se.
 
Sá Pinto tem dado treino físico e táctico. Mas tem mostrado muito treino mental e psicológico.
 
A equipa pode perder. Mas o timoneiro está a mostrar-se um vencedor!
publicado por Theosfera às 23:56

 1. Quando falamos de Deus, se repararmos bem, não falamos de Deus. Falamos de nós. Falamos do que nós dizemos sobre Deus.

 

Falamos do nosso discurso, dos nossos esforços, das nossas tentativas de dizer algo sobre Deus.

 

Até a palavra «Deus» é uma palavra humana, portanto imprópria para se referir ao divino.

 

No entanto e segundo Karl Rahner, de todas será a palavra menos imprópria para falar de Deus. Trata-se de uma palavra tão pequena que quase termina quando começa.

 

É claro que não é preciso falar de Deus para O pressupor, para pensar n’Ele.

 

Fale-se de qualquer coisa, pressupomos a sua origem primeira, o seu fundamento último.

 

Este último pode ter muitos nomes ou pode não ter nome algum. Pode ser o Inominado.

 

Trata-se de uma presença imanente a tudo, mas que estará também além de tudo. Que podemos saber acerca dela?

 

 

2. Todos dizem que Deus é infinito. Mas, no fundo, o que discutimos são fórmulas finitas sobre Deus.

 

Também ninguém contesta que Deus é a totalidade. E, apesar disso, estamos sempre a debater elementos parciais sobre Ele: palavras, conceitos, fórmulas, etc.

 

Afirmamos que Deus é a resposta, mas esquecemos que Deus também pode ser a pergunta.

 

Achamos que Deus está nas palavras, mas não damos conta de que Ele também Se encontra no silêncio. 

 

Defendemos que Deus é a confirmação do que pensamos, mas ignoramos que Ele é também o questionamento do que dizemos.

 

Deus vai muito além das nossas conjecturas. Acerca de Deus, é bom estar pronto para falar. Mas é fundamental nunca deixar de estar disponível para escutar!

 

 

 

3. As religiões costumam ser vistas como lugares de respostas. Mas não faria mal que se assumissem também como ressonâncias das perguntas.

 

Um perito em teologia saberá muito sobre Deus? Saberá, antes de mais, o bastante acerca do conhecimento humano sobre Deus.

 

As religiões deviam ser o espaço privilegiado da procura, do acolhimento, da espera e da esperança.

 

Deus está nas igrejas, mas é muito mais que as igrejas. Deus está na liturgia, mas fórmulas doutrinais. Deus está no escrito e no dito. Mas está também (e bastante) no não escrito, no não dito.

 

 

4. De Deus sabe mais quem mais O deixa transparecer. É possível ser teólogo sem ter curso de Teologia.

 

Deus resplandece em todo aquele que acolhe, que se supera, que não se resigna à mediania.

 

Deus reluz nas vidas que não se contentam com o programado, com o previsível.

 

Deus flui nas surpresas e brilha nas esperanças de quem não desiste nas horas de obscuridade.

 

Deus «passeia-Se» na brisa que palpita em corações que acreditam no amanhã. E que, por isso, continuam a dar tudo no hoje de cada dia.

 

 

5. Neste campo, a linguagem não verbal é mais eloquente que a linguagem verbal.

 

Sobre Deus, o decisivo não é dizê-Lo; é transparecê-Lo. Deus não cabe em nenhum conceito. Mas sentimos que vai passando em muitas vidas. Nas vidas daqueles que O respiram, amando.

 

O conhecimento pode demonstrar Deus. Mas só o amor O conseguirá mostrar.

publicado por Theosfera às 11:12

Neste mês do Pai,

agradecemos-Te, Pai,

pelo dom dos nossos pais.

 

São eles que,

juntamente com as nossas mães,

sinalizam o Teu amor junto de nós.

 

Obrigado é pouco para dizer

o quanto lhes estamos agradecidos.

Mas é tudo o que nos resta

para mostrar a nossa gratidão

e para lhes fazer sentir o nosso amor.

 

Também Teu Filho Jesus

quis nascer numa família.

Também Ele na terra

chamou a alguém «Pai».

 

Que o exemplo de S. José

ilumine todos os nossos pais

e inspire todas as nossas famílias.

 

Que S. José abençoe os nossos pais

e que nós, seus filhos,

saibamos agradecer todo o bem que nos fazem.

 

Que a bênção de S. José

chegue a todas as casas

e se instale em todos os corações.

 

Obrigado, bom Deus,

pelos nossos pais.

 

Obrigado pelo seu carinho,

pela sua doação.

 

Obrigado por existirem.

Obrigado pelo que são.

Obrigado por tanto.

Obrigado por tudo.

Obrigado sempre!

publicado por Theosfera às 10:55

É bom ser feliz. Trata-se, aliás, da suprema aspiração do ser humano. Mas cuidado com a tutela da felicidade.
 
Há ideologias que prometem a felicidade e que acabam por oprimir.
 
Karl Popper defendia que o nosso dever não é promover a felicidade dos outros. Isso é tarefa de cada um.
 
O nosso dever é impedir o sofrimento humano evitável. Às vezes, nem deixamos os outros encontrarem o seu caminho para a felicidade.
 
A infelicidade, muitas vezes, quando alguém quer impor a felicidade aos outros!
 
Karl Popper era também muito cauteloso (diria sensato) acerca do alcance das mudanças. É importante mudar o que está ao nosso alcance.
 
Quanto ao resto, o fundamental é protegermo-nos.
 
Quando chove, não nos passa pela cabeça mudar as leis da física. Elementar é usar um guarda-chuva!
publicado por Theosfera às 10:01

A crise pode ser a grande oportunidade se aprendermos a questionar, a reflectir e a inflectir.
 
Em contra-corrente, Serge Latouche questiona a idolatria do crescimento, que nos colocou na rota do essencial e também do supérfluo.
 
Ele chega a dizer que «é estúpido trabalhar cada vez mais, para produzir cada vez mais, para desperdiçar cada vez mais».
 
A economia acena-nos com a felicidade, mas só nos dá consumo.
 
É por isso que a infelicidade não afecta só os países subdesenvolvidos. Por isso, a alternativa ao crescimento frenético poderá ser o «decrescimento sereno».
 
É importante criar condições para uma «abundância frugal».
 
De facto, é melhor que todos tenham acesso ao essencial do que alguns terem acesso a (quase) tudo!
 
publicado por Theosfera às 09:58

Neste dia de S. José, é pertinente reflectir, maduramente, sobre o drama por que passou.

 

O Evangelho aponta-o como homem justo.

 

Título apropriado, sem dúvida, para quem pôs a justiça acima da lei.

 

Não sei se já pensamos alguma vez no seguinte. Se José seguisse, de forma estrita, os ditames da lei, Jesus não teria nascido.

 

É que (como iremos ouvir no próximo Domingo) a lei preceituava que a mulher apanhada em adultério devia ser apedrejada até à morte.

 

É óbvio que Maria não praticou adultério. O que nela se passou foi obra do Espírito Santo.

 

Só que José não sabia. E o que ele via pouca margem dava para dúvidas.

 

Ainda não viviam em comum e Maria estava grávida. Um verdadeiro drama, o drama de José!

 

Aparece, aqui, o crédito da confiança. Embora não sabendo o que se tinha passado, José sabia que Maria era incapaz de o trair.

 

Dada, porém, a situação, estava disposto a fazer tudo em segredo, em afastar-se. Denunciá-la é que jamais.

 

As pessoas não são todas iguais. Ainda há quem seja diferente. E as aparências também iludem. Oh se iludem!

 

Foi nesta situação que Deus veio em seu auxílio. E também José ficou cônscio do que acontecera.

 

Nem sempre a justiça está na lei. A justiça é maior que a lei. Em caso de colisão, não há que hesitar.

 

Jesus viria a dizer: «Procurai, antes de mais, o Reino de Deus e a Sua justiça» (Mt 6, 33).

 

Jesus foi muito claro na primazia dada à justiça. Fê-lo com desassombro.

 

José também fez o mesmo. De um modo mais contido, quase imperceptível. Mas igualmente eficaz. E prodigamente coerente.

publicado por Theosfera às 00:02

Obrigado, Senhor,

obrigado por S. José,

homem de silêncios e de canseiras,

de sofrimento e de paz.

 

Obrigado por todos os pais,

porque nos deram a vida

e porque nos dão exemplo, testemunho e disponibilidade.

 

Que nós aprendamos com a sua dedicação,

com o seu amor e a sua bondade.

 

Que cada um de nós seja digno do seu suor e do seu trabalho.

publicado por Theosfera às 00:01

Meu Pai já está está no Céu.

 

Meu Pai continua em mim.

 

Neste dia de S. José, Pai (adoptivo) de Jesus, recordo meu querido Pai, oro por todos os pais.

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


20



Últ. comentários
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Lindo e profundo texto, Senhor Doutor. Obrigada pe...
É bem verdade.
linda reflexão!
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
contador
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro